terça-feira, Novembro 21, 2006

Brincando com as palavras

Apresento-vos mais um livro de Manuel António Pina, O Tepluquê e Outras Histórias, que guarda divertidas histórias "sem pés nem cabeça" para lermos com um sorriso espreitando à porta da ternura. Descobre-o na Arca dos Livros, mas abre-o com cuidado, porque os gigões e os anantes que moram nas suas páginas podem fugir para a república das letras e depois ainda se arma uma revolução...




Era uma vez um menino que tinha um defeito de pronúncia. Não era capaz de dizer : dizia quê Trocava o pelo quê. Trocava o têpluquê. Em vez de dizer tasa, como toda a gente, dizia casa; em vez de dizer tão, dizia cão; em vez de dizer tapete, dizia carpete (às vezes deixava uns tês para trás, deixava uns quês para crás). E assim por diante: em vez de dizer tábua, dizia cábula; em vez de dizer tu, dizia (rabo); em vez de dizer Tomé, dizia Comé; em vez de dizer taxímetro, dizia caxímetro, etc. (em vez de dizer etc., dizia ecc.).
Esta história (em vez de dizer esta história, dizia esca escória) tem uma moral, é das que têm: é que todos os defeitos de pronúncia (como os outros defeitos todos, há uma história para cada defeito) têm também virtudes de pronúncia, senão eram defeitos perfeitos. Ao menino, como a toda a gente que tem defeitos de pronúncia, ENTARAMELAVA-SE-LHE a língua; este menino tinha sorte porque, como as letras do defeito dele eram o e o quê, a língua ENCARAMELAVA-SE-LHE e o menino gostava muito (goscava muico).

In O Têpluquê e outras histórias, Porto: Edições Afrontamento, 1995